quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

As 5 dificuldades que enfrento na alimentação lowcarb

Será que vou conseguir me manter firme na dieta?

Hoje completaram 13 dias desde que iniciei a dieta paleolítica.

O tempo parece pouco, mas já sinto vários efeitos positivos e negativos em ter adentrado radicalmente nesta forma de alimentar.

Um dia irei falar sobre os pontos positivos, mas neste momento quero destacar as 5 dificuldades que enfrento na alimentação lowcarb :

1- Ter que cozinhar. 

Eu ainda estou em dúvida se eu que corro da cozinha ou se a cozinha que corre de mim. (Risos).

Mas o fato é  que eu nunca fui muito boa nesta função doméstica. E agora, percebo que precisarei me render a fazer receitas todos os dias, se eu fizer questão (e faço) de manter meu hábito de ter lanches saudáveis e saborosos.

Agora a padaria não é mais minha amiga. #RIPpadaria

2- Perceber as pessoas preocupadas com o fato de eu ter MELHORADO a minha alimentação.

Sabidamente a ingestão de açúcar é tóxica para o organismo humano.

Pergunte, por exemplo, para qualquer pessoa próxima a você se açúcar e farinha de trigo são saudáveis e a maioria saberá te responder que não, não é.

Então me pergunto: por que as pessoas se preocupam com o fato de eu ter largado a farinha de trigo, o açúcar, etc, e passado a comer carnes, legumes, frutas?

Como isso pode ser considerado algo que pode colocar em risco a minha saúde?

3- Revolucionar antigos padrões de alimentação fazendo o óbvio.


Isso me leva a uma reflexão que vale pra tudo na vida.

É que na verdade, nossas ações são vistas como "erradas" ou "nocivas", sempre que desafiamos algo que tange o senso comum - mesmo quando o senso comum sabe a verdade sobre certo e errado.

Lembra da história do garoto que assumia diante de todos  que "o rei estava nu "? Ele era ridicularizado e rechaçado por toda a sociedade, ainda que sabidamente ele estivesse correto.

Eu fiquei pensando se eu poderia considerar um ato de coragem fazer o óbvio: deixar de comer substâncias tóxicas e viciantes.

Cheguei à  conclusão  que não, isso não é  um ato de coragem.

Trata-se apenas em assumir a condição de lucidez no que diz respeito ao seu amor por sua saúde, por seu corpo.

Sim, vou comer carne, legumes, verduras e frutas. Isso é saudável.

Por que negar o óbvio ?

4- Ouvir constantemente comentários sobre a suposta não-necessidade de eu estar em uma dieta, uma vez que já sou magra.


E desde quando desejar passar a se alimentar corretamente está automaticamente ligado a dar uma nova forma ao corpo?

A resposta é óbvia: desde que a "cultura da beleza" passou a ditar que um corpo só é socialmente bem visto se ele obedecer à algumas regras de formatação.

O que sempre ressalto é que a dieta não deve ser sinônimo de emagrecimento.

Ao contrário disto, o emagrecimento deveria parar de ser tão valorizado, para que as pessoas deixem de ser discriminadas pelas suas formas, e assim possam ter a liberdade para olhar com sinceridade para os alimentos que tem consumido e então entender os efeitos deles em sua saúde.

Emagrecer nunca deve ser a meta! Comer de forma saudável sim!

5- Assumir que sou uma viciada.


Entender e assumir que existe o vício no carboidrato, especialmente no açúcar e na farinha de trigo é o primeiro passo.

Eu observo algumas pessoas orgulhosas em dizer que irão se entupir de açúcar nas festas de ano novo, e tratar sobre este tema como se isso fosse empoderamento.

Render ao vício não pode ser visto como motivo de orgulho e ridicularizar quem passou a se alimentar corretamente está longe de ser normal.

Se vou conseguir me manter firme na dieta? 

Não sei ainda.

Após estes 13 dias, já sinto a abstinência do açúcar. Em diversos momentos precisei lutar MUITO para me negar a comer o que me faz mal.

Mas uma coisa eu entendi: o sim ou o não estão sob MEU controle.

Que eu sempre responda com a lucidez de quem valoriza a própria vida.

Não nos façamos de cegos! O rei está nu e está nos matando diariamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram

Postagens mais visitadas