segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Os 5 itens que desestimulam uma pessoa magra a fazer dieta

Por que é difícil uma pessoa magra fazer dieta?

Quando engravidei do Bruninho engordei 20kg, mas como eu era muito magra antes de engravidar, o peso a mais não me tornou uma pessoa gorda.

Permaneci sendo considerada uma pessoa magra, em relação à média das pessoas que me rodeiam.

Durante a gravidez, conheci muitos amigos. Eles já me conheceram com 20Kg a mais e esta que era a imagem que tinham do meu corpo.

Agora, 18 meses após o nascimento do meu filho, eles observam meu corpo da forma que era antes da gravidez e se surpreendem com meu emagrecimento.

Algumas pessoas se mostram preocupadas com minha saúde, por eu estar magra. Outros elogiam meu emagrecimento.
O fato é que, embora eu desejasse sim retornar ao meu corpo original, antes eu não me sentia afetada com a questão estética do ganho de peso. Mas eu sentia muitos outros efeitos por estar carregando 20kg a mais: me sentia mais cansada, com dores no corpo, a região interna das coxas ficava assada quando eu usava vestido, minhas roupas não me serviam mais, entre tantos outros fatores que me prejudicavam.

Diversas e diversas vezes eu decidia entrar na dieta lowcarb e 2 semanas depois (as vezes menos) desistia.

Vou listar aqui algumas das razões de tantas investidas fracassadas para mudar meu estilo de alimentação.

1- O desencorajamento por parte das pessoas que me rodeiam.
Em 2016, pesando 60kg, duramente criticada por amigos ao publicar a foto no facebook
dizendo que iniciaria a dieta paleolítica e lowcarb no meu pós-parto.

As falas que eu mais ouvia das pessoas era:

"Ai, Sheilla, eu fico até sem paciência com você, magra, fazendo dieta."

" para quem é gordo... Ver uma pessoa muito magra se sentindo gorda.. Dá depressão. Rs." (e quem disse que eu me achava gorda?)

"Eu vi sua publicação falando que quer emagrecer 17 kg. Preferi nem responder, porque fiquei muito chateada."

"Pra quê você está fazendo dieta? Você nem precisa!"

Com tanta fala negativa, por mais que a gente tente abstrair, é muito difícil seguir adiante com uma dieta que te priva de um vício tão complicado de se largar, como é o caso do açúcar!

Mas uma coisa que tenho aprendido é que muitas vezes, as falas das pessoas direcionadas a nós dizem muito mais sobre elas mesmas do que sobre nós. Muitas vezes são elas a projetarem sobre nós uma construção de vida pessoal. Precisamos aprender a reter somente o que é bom, o que nos gera crescimento. O restante, deixemos que cada um lide com suas próprias questões.

Dica: não absorva o problema ou frustração alheio como se fosse o seu.



2- Dieta, para mim, sempre foi sinônimo de emagrecimento.

Esta sou eu hoje, me pesando.
Mas, como o peso não importa, resolvi não registrar.

Até então eu pensava que as pessoas somente deixavam de consumir guloseimas, massas e afins por uma simples questão: emagrecimento.

Somente após eu ver as melhorias na saúde, na pele, na disposição do meus esposo (autor do blog Paleodiário) é que eu passei a entender que, mais do que emagrecimento, o efeito da dieta no corpo de alguém se dá pela qualidade de vida que ela vai gerar.

O emagrecimento é uma consequencia natural, e não o objetivo de se fazer uma dieta.

Mesmo porque, a dieta lowcarb jamais irá te emagrecer mais do que a sua estrutura de corpo permite. Há inclusive quem faça a dieta e ganhe peso, justamente por estar com o peso abaixo do que o seu corpo nasceu para ter.

Temos diferentes estruturas de corpo. E é nisto que reside a beleza: somos diversos!

3- Não entender que o carboidrato em excesso é nocivo para a saúde.

Eu soprando a vela em minha festinha de aniversário de 5 anos

Justamente por eu ser magra, nunca tinha precisado refletir sobre os efeitos da comida sobre o meu corpo.

Eu só passei a entender os efeitos fisiológicos dos alimentos em nosso corpo quando vi meu esposo, que até então estava com diversas taxas alteradas nos exames periódicos, voltar com um resultado de exame fenomenal, após 2 meses de dieta.
A saúde dele melhorou, a pele, a disposição! Os médicos se assustavam em ver em um homem de quase quarenta anos taxas de pessoas de dezenove.

Vi também quando ele, por um experimento ou recaída, ou no intuito de abrir uma exceção, consumia algum tipo de carboidrato refinado e passava mal.

Foi então que percebi o quão tóxico é o carboidrato industrializado, e em especial os dois pós brancos: farinha de trigo e açúcar.

Entender que eu estava consumindo produtos que fazem mal à saúde e que podem até me levar à doenças graves (como diabetes, câncer, entre outras) foi uma das coisas que me ajudou a entender que a dieta é voltada para pessoas de qualquer tipo físico.

E este foi o que me gerou a decisão final para aderir de uma vez por todas à dieta! Foi quando meu esposo citou a frase do coach Teco Mendes:

"O segredo não é deixar de comer o que gosta, e sim deixar de gostar do que te faz mal."

4- Ser viciada em açúcar e acreditar que eu não conseguiria viver sem ele.

Foto que tirei de uma sobremesa em uma viagem, mostrando
o "quão maravilhoso e imprescindível" era o açúcar para mim.

O primeiro passo foi assumir para mim mesma o vício no açúcar. Na verdade, eu nunca tinha entendido o açúcar como droga, uma vez que ele é consumido por todos, inclusive crianças (às vezes até mesmo bebês), e vendidos legalmente em qualquer estabelecimento.

Se você quer fazer uma surpresa, ou deixar alguém feliz, provavelmente uma das opções é pensar em chamar para tomar um sorvete, ou dar uma caixa de bombons. O açúcar é extremamente romantizado em nossa sociedade e por isso é muito difícil enxergá-lo como uma droga altamente viciante e nociva à saúde.

E, uma vez que entendemos isso, vem o segundo passo que é: IMAGINAR A VIDA SEM ELE!

Conseguir entender a vida sem açúcar é realmente difícil! Afinal, é isso mesmo que fazem as drogas: nos geram dependência!

Mas o que aprendi é que está em mim a decisão de dizer sim ou não para esta substância. E que por mais que seja difícil viver sem açúcar, eu digo sim à minha vida! E por isto rejeito tudo o que pode prejudicar meu corpo.

Dica: Um viciado atrapalha o outro a abandonar o vício. Lembre-se disto quando alguém tentar te convencer sobre voltar a ingerir açúcar, ainda que em doses pequenas! Ninguém pára de fumar fumando.

5- Abrir uma exceção

Registro de uma das vezes que abri uma exceção. 
E que exceção! Risos...

TODOS OS MEUS FRACASSOS iniciaram com uma exceção que eu abria. Sempre que eu iniciava a dieta, começava super bem: fazia sobremesas gostosas, e me saía muito bem. Até que... festinhas de aniversário!!!

Quem é mãe, como eu, sabe muito bem a quantidade de festas de aniversário cheias de docinhos e guloseimas às quais somos expostas.

Então, a cada festa, eu pensava: só hoje vou comer guloseimas e depois eu volto à dieta!

E as exceções começavam a se tornar mais e mais constantes até que viravam regra! Quando eu ia ver, já tinha desistido da dieta, por considerá-la muito difícil.

Diga adeus ao açúcar e à farinha.

Entenda que são alimentos tóxicos, que podem te adoecer.

Faça um comparativo com outros tipos de drogas reconhecidamente prejudiciais à saúde (como álcool e tabaco) para que você possa entender o que significa para um viciado abrir uma exceção no consumo da droga!

Dica: Quando você pensar em abrir uma exceção, lembre-se de quantos viciados em drogas conseguiram se libertar delas abrindo "exceções".


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram

Postagens mais visitadas